quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Semáforos desligados e alagamentos causam transtornos ao trânsito em Fortaleza


foto alagamento 160121 antonio bezerra
Quem teve que se deslocar pelas ruas e avenidas de Fortaleza, na manhã desta quinta-feira (21), teve que enfrentar congestionamentos por causa de semáforos apagados e vias alagadas.
Na avenida Bezerra de Menezes, o semáforo com a rua Padre Anchieta apagou e os transtornos foram grandes, no único acesso ao outro lado da Bezerra de Menezes. O outro acesso fica a uma distância de mais de um quilômetro.
Em frente ao terminal de Antonio Bezerra, o maior transtorno foi um alagamento, em que somente veículos de grande porte conseguiram passar.
Segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), choveu 95 milímetros até esta manhã em Fortaleza.

Caminhão com botijões de gás tomba na BR 222 em Itapajé




Caminhao 1Um caminhão transportando botijões de gás de cozinha tombou na BR 222 no município de Itapajé, o acidente aconteceu no início da tarde de ontem quarta-feira (20/01) próximo à curva da Pedra D’água.
O motorista sofreu apenas lesões leves e permaneceu no local, dois ajudantes que estavam com ele no caminhão sofreram fraturas e tiveram que ser levados para o hospital municipal.
O veículo trafegava com destino a Fortaleza e tombou em uma reta da BR, segundo relatou o motorista, ele perdeu o controle no momento em que a pista estava molhada. Alguns botijões foram levados por pessoas que passavam no momento do acidente, mas a policia chegou a tempo para impedir que toda a carga fosse saqueada.

AÇUDE ACARÁU MIRIM EM MASSAPÊ RECEBENDO ÁGUA

A cidade de Massapê, na Zona Norte, também é um dos municípios cearenses que recebe boas chuvas nesse primeiro mês de 2016. A imagem vista é do Açude Acaraú Mirim que abastece os Distritos de Ipaguassu Mirim; Arraial e Mumbaba, bem como da cidade de Massapê. Suas águas também são utilizadas para a perenização do rio do mesmo nome, com escoamento através de uma galeria, servindo para irrigação de sítios e fazendas até o município de Santana do Acaraú. O reservatório é um dos mais antigos do Ceará.

Pesquisadores vão desenvolver soro contra vírus Zika


Parceria firmada entre o Instituto Vital Brazil, laboratório do governo do Rio, e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) prevê desenvolver um soro contra o vírus Zika. A previsão é que o soro fique pronto em até três anos.

O diretor científico do Vital Brazil, Cláudio Maurício de Souza, disse que a expectativa é que o soro funcione da mesma forma que o soro antirábico. “A ideia é que, uma vez sendo administrado em um paciente com o vírus Zika, ele [o soro] vai reconhecer as partículas virais, vai se ligar na capa protetora dessas partículas promovendo a sua inativação”.

Para Souza, o soro poderá, inclusive, proteger gestantes contra o vírus. “A gente acredita que esse soro vai ser uma ferramenta terapêutica bastante útil, que vai ajudar bastante na proteção da gravidez das mulheres no Brasil”.

De acordo com o presidente do instituto, Antônio Werneck, uma vez aplicado o soro em grávidas, tão logo seja confirmado o diagnóstico, poderá evitar que o vírus entre em contato com o feto provocando a microcefalia, uma malformação que afeta o tamanho adequado da cabeça do recém-nascido. O Ministério da Saúde confirmou 230 casos de microcefalia no país causados pelo vírus Zika.

Vírus Zika é transmitido pelo mosquito Aedes aegyptiArquivo/Agência Brasil

O vírus Zika é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue. Os sintomas geralmente desaparecem espontaneamente em até sete dias.

A doença se assemelha com a dengue por ter sinais semelhantes, como febre, manchas pelo corpo com coceira, dor de cabeça e nas articulações, enjoo e dores musculares. Em alguns casos, o paciente pode apresentar olhos vermelhos.

Antes de chegar para uso humano, o soro será testado em animais. Com informações da Agência Brasil.
 
Msn Notícias

Aluna de escola pública de Tianguá(CE) passa em 1º lugar em medicina



Diana era candidata do (Sisu) pelo sistema de cotas para escolas públicas.
A rotina incluía ensino médio, curso técnico, estágio, cursinho pré-vestibular e, por vezes, até ter que dormir na casa de amigos quando a aula acabava tarde e o ônibus partia antes. Ainda assim, a estudante Diana Maria da Silva, 17 anos, de Tianguá, a 335 km de Fortaleza, conseguiu aprovação em medicina na Universidade Federal do Ceará (UFC), no campus de Sobral.

Filha de professora e de pedreiro e vigia noturno, Diana era candidata do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2016 pelo sistema de cotas e conseguiu o primeiro lugar das vagas reservadas para estudantes escolas públicas. “Foi maravilhoso. Fiquei muito ansiosa nos dias que antecederam o resultado. A felicidade foi enorme”, descreve.

Até a aprovação, porém, foi preciso conciliar o ensino médio na escola Professor Sebastião Vasconcelos Sobrinho com curso técnico em contabilidade em escola de tempo integral. Durante o terceiro ano, em dois dias por semana, as aulas eram substituídas por um estágio devido ao curso técnico. Além disso, fazia cursinho pré-vestibular no turno da noite.

O principal obstáculo, lembra, foi encaixar o cronograma de estudos na rotina. “Às vezes ficava difícil separar um tempo para alguma disciplina que tinha dificuldade ou para fazer revisões”, diz.

O fato de morar longe da escola e do cursinho também era um empecilho. “Para ir e vir da escola utilizava um ônibus disponibilizado para a prefeitura. Mas para ir ao cursinho era mais difícil, pois apesar de haver um ônibus à noite muitas vezes o cursinho acabava tarde e eu perdia o transporte tendo que me hospedar na casa de amigos.”

A jovem conta que a escolha por medicina tem relação com a paixão por ciência. “Minha mãe é professora de biologia e sempre me incentivou na área. Medicina sempre esteve em minha mente, mas só no ensino médio tomei minha decisão e decidi me dedicar ao vestibular e buscar a tão sonhada aprovação”.

"Mesmo com todos os empecilhos sempre busquei aproveitar meu tempo naquelas matérias nas quais tinha mais dificuldade" 
Caminho da aprovação
Para Diana, o "segredo" para os bons resultados não é tão mistério assim: "organização e dedicação". "Mesmo com todos os empecilhos sempre busquei aproveitar meu tempo naquelas matérias nas quais tinha mais dificuldade, melhorando meus pontos fracos."

Além disso, Diana cita o apoio da família, professores, e do grupo de estudos que ela montou com os amigos, momento de incentivo e troca de dicas e livros. "Hoje todos estão aprovados em universidades federais", destaca.

Além de estudar, o tempo livre era dedicado, principalmente, para ler, "minha paixão desde criança", e sair com os amigos. "Sempre busquei reservar pelo menos um momento do fim de semana para fazer essas coisas, mesmo com a semana puxada".

A quem também almeja um bom resultado no Enem, a futura médica opina que não é necessário estudar durante várias horas por dia. "O importante é se conhecer e saber quais os pontos fracos e fortes e em que é necessário dedicar mais atenção, e saber aproveitar o tempo. O Enem é uma prova de conhecimento, mas que exige também muito do raciocínio crítico do aluno e de preparo psicológico, por isso é necessário estar sempre atualizado e ler bastante", orienta.
Fonte: G1 CE